setembro 28, 2008

Ich Liebe Ein Berliner









Iconoclastia por Pete Silas

"Há por aí muitos portugueses
Que não percebem, ou que dizem não perceber o porquê de vender bolas de berlim com creme ou sem creme. DEIXÁ-LOS PROVAR ESTA! Alguns há que afirmam que a bola sem creme é o bolo do futuro! DEIXÁ-LOS PROVAR ESTA! E há também outros que dizem que uma bola sem creme pode realmente ser tão saborosa quanto uma bola com creme. DEIXÁ-LOS PROVAR ESTA! E há ainda por aí uns poucos que afirmam a pés juntos que as bolas de berlim sem creme, embora sejam menos saborosas, permitem-nos viver uma vida mais saudável, evitando males como salmonelas, obesidade, entre outros flagelos da nossa era. A eles respondo: DEIXÁ-LOS PROVAR ESTA!
O creme que a acompanha pode trazer imensas calorias e a bola assim confeccionada pode não ser muito saudável. Mas nunca ninguém ouviu contar que alguém possa ter morrido engasgado de comer uma simples bola ao princípio da manhã antes de entrar para o trabalho, ao final da tarde, após sair do trabalho. Quero deixar aqui expresso, em nome de todos os cidadãos portugueses, mesmo aqueles que vivem, estudando e trabalhando além fronteiras, distantes das nossas praias e das nossas pastelarias, que devemos ter o maior orgulho nas bolas com creme de pasteleiro, em lugar das cópias que por aí andam, sem traço epifânico que as possa salvar da secura que causa ao paladar. Não conheço nenhuma outra bola, venha ela da Alemanha, do Reino Unido, da Islândia, da Croácia, da Polónia ou de Israel, tão saborosa e deliciosa como a nossa cremosa berliner portuguesa! Tirar-lhes o creme, como outrora disse a grande guru da culinária, Filipa irá com Deus, é tirar-lhes a Alma, não somente uma ofensa ao paladar português, como aos milhares de turistas que anualmente prestam visita ao nosso país! É o verdadeiro causador da baixa significativa de pessoas nas pastelarias, nas praias, nos cafés.
O que serve para este bolo, serve para todos os outros confeccionados com o mesmo creme. Enquanto continuarem a insistir em vender bolas de berlim sem creme de pasteleiro, nunca poderemos saborear verdadeira e livremente os prazeres desta vida. Somos livres de escolher, e como tal, somos livres de consumir quanto creme nos apetecer.
Assim sendo e para finalizar, deixai-me por fim pedir-vos que abram os olhos e o paladar para o creme de amanhã, um creme hoje em vias de extinção, mas amanhã livre de perigo, vivendo em prosperidade com quem realmente o aprecia e o coloca no lugar que merece: na primeira fila das montras das pastelarias, bem como nas caixas dos vendedores da praia.
A liberdade deve ser um dado adquirido, e quando um bolo se torna proibido, todos os outros lhe seguem o rasto. Só com a liberdade poderemos seguir em frente, esperando o dia em que a berliner com creme de pasteleiro seja a supra-sumo de todas as berliners do mundo. Quando esse dia finalmente chegar, e chegará, os verdadeiros apreciadores poderão finalmente regozijar-se, de papo para o ar ou na esplanada do café sem fazer nada, a não ser, degustando uma cremosa Bola de Berlim, como faziam de há anos a esta parte.
Todos os homens livres, independentemente de onde vêm e de onde vivem, são cidadãos Berliner. E como homem livre que sou tenho orgulho nas palavras “Ich liebe ein Berliner”. De preferência, com creme."

Palavroclastia por Mário Lisboa Duarte
Performance por Ricardo "Formiga"

1 comentário:

Luís Graça disse...

Brilhante o texto, brilhante a sua interpretação. Brilhante o timing das imagens.
A merecer consagração nacional.
Do melhor que vi nos últimos tempos.
Só por isto mereceria a pena ter ido a Santa Cruz.
Fora tudo o resto, claro.