dezembro 20, 2006

CADAVRE-EXQUIS II


expressão visual por Frederico Fonseca

Da varanda da ilusão
Onde te pertences
(Aos povos do sal, aos lobos do mar),
Não és mais do que a mera
Representação da inconstância da vida,
Na imensidão do mar
Revolto.
Pensamentos profundos,
Grutas desenhadas pelas aquarelas
Do mar intemporal.
Ondas revoltas
De sal lacrimejante.


Isabel Oliveira
Mário Lisboa Duarte
Cadavre exquis, Cabo Carvoeiro
Junho 2004

7 comentários:

Imprevisível da Silva disse...

"Le cadavre-exquis bois le vin nouveau"

i2_s2 disse...

conservei o meu olhar com sal nos "lobos do mar".

Tânia Pereira disse...

Adoro este exerício e tenho muitos guardanapos de cafés e de bares com exemplares de adolescência, de bebedeiras ou de faltas às aulas para simplesmente ficar no café...a viver e a pensar de outra forma.!
Gostei muito
partilha mais!

Goncalo Veiga disse...

É um poema lindíssmo, de facto.

A propósito! Adoro esta música que têm aqui no vosso blog - o Prelude and Fugue! Genial!

Marginal disse...

Tânia: acreditamos que os cadavre são exercícios de facto muito belos quando resultam (o que é bastante complicado). De qualquer modo, apesar de sabermos que não é única e exclusivamente uma coincidência, a fronteira é muito ténue. A poesia, quando estudada e trabalhada pode trazer mais "sumo".

Inês: adoramos o teu olhar construtivamente crítico. Serve-nos de guia e por isso te agradecemos.

Gonçalo: a ideia seria criar uma música para cada "fotopoema", de modo a construir uma espécie de "fotomúsicopoema", ou por qualquer outra ordem. Contudo, a originalidade dos exercícios já feitos perderia esse mesmo estatutos, se colocássemos música de outros, sem qualquer espécie de escrúpulos para com direitos de autor. Lamentamos a lacuna na parte musical que não podemos preencher. Quem sabe um outro "marginal" que se predisponha a trabalhar connosco...

Goncalo Veiga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Goncalo Veiga disse...

Essa ideia do "fotomúsicopoema" seria um conceito sem dúvida bastante original. :)

Não me importaria nada de participar, seria um prazer participar nesse projecto convosco, mas tenho que confessar que não tenho assim muito talento para compor músicas... Interessante seria até falarem com alguém que estudasse num conservatório ou assim, que fizesse estudos clássicos ou jazz.

Vocês já pensaram em fazer recitais de poesia?

Abraço!