novembro 27, 2007

OROLOGION


Movimento Ascendente por Frederico Fonseca

Quando me carregaste às costas
Na distância entre dois pontos
Atingimos o céu num voo noctívago
Depois crescemos
Diurnos divinos fumando cálculos
A ignorar constantemente
A evidente criança
Que começou na inconstância rectilínea
Que vai de nós para os outros

Mário Lisboa Duarte

2 comentários:

icendul disse...

ao ler "fumando cálculos" pensei:

a. paralelo a b.

sendo a:

fintar um qualquer cálculo urgente ou incomodamente realista como quem expele o fumo de um cigarro pelos lábios, numa nuvem informe, inconsequente.

e b:

fazer um cálculo de modo meticuloso, saboreado, de forma a não ser insensível a nenhum dos cantos do sabor do fumo.

fico com a. e b.
não escolho nenhum!
ai o raio da poesia!:)

David Sobral disse...

∆x=|a-b|
we : x0+∑ ∆x
we -> +oo ?
we || others ?
we / others =?

sem dúvida que é muito mais agradável fazer poesia (ou encontrá-la) em conceitos e na liguagem simples da matemática, do que escrever as cores, o rosto e a voz de um qualquer poema, sob uma forma matemática. Muito bom mesmo.