fevereiro 25, 2008

DAS IMAGENS PREMATURAS



Emprenhei a minha musa
De imagens trigémeas
Coladas com a cera
Dos ouvidos de um penitente:
- Um pássaro desasado
Emaranhando-se nos cabelos
De uma floresta virgem –
- Um cavalo tecendo
Novelos de crina
No riacho de um regaço –
- Uma hiena fumando
Cachimbo e rindo entredentes
Nos gritos de uma selva diurna –
As três corroendo-lhe o ventre
Na urgência da luz prematura

Assim se vão esvaindo entrepernas
Todas as musas que me abrigam:
Em poças de líquido semiótico
Destes textos pretextos
Não mais que meras
marquesas abortadeiras

Palavroclastia por Mário Lisboa Duarte


Imagens prematuras por Frederico Fonseca

1 comentário:

Mïr disse...

Gostei deste momento de leitura poética.